Falar da minha Terra Natal Por favor deixe seus comentários

quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

VINHO DA ILHA DE PORTO SANTO


O Vinho de Porto Santo no meu tempo de criança,quase todas as pessoas tinham o se bocadinho de vinha para ter um pouquinho de uvas para vender e fazer o seu vinho ,muitos para guardar para o Natal.Era um prazer ver as vinhas à beira mar todas verdes,e também na ida  para a fonte da Areia.Porto Santo até Agosto mantinha uma cor verde,e depois com a vindima feita se tornava de uma cor acastanhada.Havia duas qualidades de vinho e penso haver,o doce e o seco com 17 graus .O doce é um vinho que eu adoro muito ,e tem um segredo quanto mais se bebe,mais apetece.Muito desse vinho era vendido para a Madeira para quem o comprava juntar ao vinho da ilha e fazer um bom vinho .Madeira.Com o evoluir dos tempos foram desaparecendo algumas  vinhas  com a desculpa de não haver água ,outros que até não queriam vender suas vinhas e os obrigaram,com tanta conversa viraram o juízo a muitos por causa do dinheiro com as ideias de grande turismo  Alguns Senhores fizeram seus Hotéis  arrancado boa vinha e fazer o que seu belo prazer pedia.Outros deixaram essas vinhas secar por nunca nada fazer e só cria ratos!!pergunto onde anda esse grande Turismo  .tudo  isso era desculpa de mau pagador porque quando elas eram bonitas,na altura que havia menos água e elas ali produziam.Na Camacha também produzia  muita uva,e ainda hoje  muito agricultor luta para ter o seu bocado de vinha!!Os poucos que têm o seu vinho ,não pode vender por não poder sair da própria ,  Ilha.  Agora com tanto Intelectual  na ilha onde muitos dizem fazer algo pela ilha,pois nada se faz e assim a uva de Porto Santo fica só pelo aqueles que com tanto amor vão tentando aguentar aquilo  que alguns uns dizem,nas campanhas  ser a favor do agricultor ,e de outros que por não gostar de trabalhar,nem sabem o que é uma enxada nos dias de hoje.  Muitos do Porto Santo foram culpados,serão culpados  por só querer meter dinheiro ao bolso destruíram algo que com tanto amor levou tantos anos a ser feito.Uma uva única em Portugal por seu terreno ser seco,e ela ali dava a melhor uva.Agora muitos falam,falam por a ilha estar com grandes problemas.Digo terra que não se cultiva não se come,e para ter Turismo temos muito que trabalhar,e receber bem quem nos visita.Nós em criança quando os donos das vinhas faziam a vindima, pedíamos um cacho para comer,e nunca davam,depois com a ganância do dinheiro e muitos enganados ficaram sem o dinheiro ,e sem as vinhas.Pois Deus não castiga nem com pau,nem com pedra.Se as coisas na ilha onde nasci está mal,a culpa é dos próprios que foram na cantiga como a Cigarra e se esqueceram da formiga.É mais fácil vender um terreno e comprar e gastar o dinheiro num carro,do que ser agricultor e ter uma boa produção.


A uva de Porto Santo!
dá o sumo muito doce ,
uns gostam dele seco.
Outros gostam dele doce.
felizarda drumond faustino.



         
                                  .



terça-feira, 16 de agosto de 2016

Plantem

Plantem
Plantem o girassol!
para lhe dar alegria,
porque só se vê terra.
E só faz nostalgia.
II...
O girassol é semente,
que só se mete na terra,
aos olhos de muitas gente.
Mostra uma linda terra.
III
Com o azul da Ilha,
o girassol virado ao Sol.
aos olhos de muita gente.
Era uma Estrela em redor
felizarda..

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

A PRAIA DE PORTO SANTO


Eu muitas vezes nem quero acreditar em certas noticias, que leio de Porto Santo , agora vão colocar nomes de pessoas á praia de Porto Santo? Vai ser de metro a metro , e quem ficara com a parte do calhau . Será que não há coisas mais importantes por resolver na Ilha . Digo sai cada anedota dai que só visto . Uma praia que agora nem tem 8 km de areia vão colocar nomes Em vez de pensar como resolver , os problemas da praia , e fazer sua limpeza e outros problemas . Eu não aceitava que colocassem o meu nome , será que mais tarde me iriam mandar limpar a praia , lolo
Nos meus tempos de pequena  muita vezes nas alturas de Inverno , acontecia a praia  ficar assim , e outras vezes com areia preta . Mas como tudo era aproveitado para reconstruir algo na ilha a areia preta era acarretada por Burros ,para fazer tijolos para  casas , numa pequena Fábrica de fazer bloques junto com cimento para levantar casas e assim a praia se ia limpando .Mas como agora só querem a praia para banhos de Sol ao verem a Natureza Real e não podem colocar a toalha e colocar o corpo em cima das pedrinhas fazem logo  um problema mas a praia não é só areia branca. Em Porto Santo antigamente as pessoas tinham ideias para aproveitar o que a Natureza lhes dava ,todos os passeios das estradas eram feitas das pedras da praia ,os passeios ,os adros das Igrejas e ficava lindo matizado de branco e preto . Hoje como é só carregar breu  dai sobrar as predas na praia . Muita coisa podiam fazer  para a ilha ficar bonita  e preservar como aqui em Lisboa estão a preservar  e a fazer novamente para ficar bonito , pois é isso que os visitantes querem ver e não alcatrão
Falam tanto de Cristóvão Colombo o porque de não fazer um lindo trabalho dessas pedras que a praia vos dá e fazer uma linda Caravela , ou uma linda foto dele .Mas não estraguem o que já está feito . Mas sim   progredir mais . Muitos deve dizer mas que ideia dela,!! pois dá muito trabalho e com o aumento do pequeno ordenado é muito melhor puxar lustro  a cadeira.
Aqui está uma ideia


Tudo se preserva não se deita alcatrão. em Lisboa.
Aproveitem as pedras da praia e não façam drama.
Amália Rodrigues
Em Porto Santo podia ter a foto do Colombo . Mas não estraguem o que ao antepassados fizeram , pois Porto Santo tem muito Sitio onde se fazer algo para representar Colombo , Os Fontenários com o chão calcetado , e fazer seus canteiros. bonitos. . Porque terreno à muito  para os motares andar em alta velocidade  ,sem dar tempo do povo os apreciar se a mota é bonita ou não . E depois na saída  do almoço o melhor é arranjar um buraquinho para quando algumas motas passam não darem pelas pessoas.


terça-feira, 24 de maio de 2016

Surf na Ilha de Porto Santo

Todos os Desportos se encontra nesta linda Ilha,além de falarem muito de sua prais ela tem,muitos mais.
Como eu digo um pouquinho de tudo vá faça suas férias nesta linda ilha e verá a realidade.Boas Férias.

sábado, 16 de abril de 2016

RECORDAR A FÁBRICA,ONDE NASCI,E DEPOIS TRABALHEI.

Recordando  essa  fábrica hoje demolida onde outrora foi sustento de muitas famílias.Essa fábrica era de uma companhia Algarvia de Vila Real de Santo António onde um dos donos era o senhor Raimundo,dai o meu  Pai como já trabalhava numa das Fábricas em Vila Real foi transferido para Porto Santo ele e outros para desenvolver a fábrica  por foi a ida de ir residir para Porto Santo como  chefe de secção de cheio dessa fábrica ,casou mais tarde  com a minha Mãe Carolina  da Silva Drumond e por lá ficou.Junto com o meu Pai foi outro senhor que foi trabalhar para a fábrica de conservas da Madeira dai depois foi o senhor Vital onde era  chefe  geral ,com sua mulher D.Elvira que era chefe das mulheres que lá trabalhavam.Esta era a fábrica que durante os 3 Meses de Verão dava trabalho a muitas Mulheres e homens, que além de fazer as suas 8 horas de trabalho ainda ,faziam trabalho turno até ás  23 horas  para poder ganhar mais algum pois era mais trabalho do que dinheiro!.Mais tarde voltarei a recordar  algo mais sobre esta fábrica pois foi nela  o meu nascimento.Nasci  na Fábrica de conservas mas ,antes nasceram dois irmãos gémeos,a seguir a mim nasceu meu irmão Augusto hoje já falecido.Residi nesta fábrica até os meus 4 anos.Como era  muito traquina pois quase toda a gente que lá trabalhava tinham que estar sempre de olho em mim,me recordo um dia ir a correr e havia poço rente ao chão  que colocavam o peixe em salmoura  lá Felizarda  caiu dentro de um onde quem me tirou de lá foi  o senhor  José  Gomes do campo que chamavam o Caldeireiro o seu nome era o Senhor Gomes morava no Campo de Baixo e todos os dias ia e vinha de bicicleta sempre de chapéu pois trabalhava com as caldeiras. Esse senhor tinha por hábito ter uma garrafinha  com vinho do Porto Santo doce eu via ele beber e um dia lá foi ao sitio da garrafa tomei e foi um susto para muita gente me verem andar e a cair sem saber o que era ,pois era a minha primeira bebedeira coisa de criança curiosa .Só quem descobriu  foi  o Senhor Gomes que ia beber a sua pinguinha e não tinha lá nenhum,!!dai a descoberta.E desde já um concelho manter bebidas fora do alcance das crianças.A vida foi correndo nasceu o meu irmão João Augusto  !! E Como a nossa casa era num sótão por cima do refeitório onde os empregados da Fábrica almoçavam ,e como a minha mãe estava grávida do meu irmão o Senhor Carlos que era gerente da Fábrica  tentou nos arranjar uma pequena casa  próximo do barracão do combustível onde era o melhor sitio e com espaço.E ai nasceu meu irmão Augusto , e os meus Pais  continuaram a trabalhar,e o meu irmão mais pequeno ficava em casa dentro do berço,que fazia de parque,e eu levava concelho da minha mãe .Toma conta do do teu irmão,se acontecer algo chama,mas eles vinham sempre ver como estávamos.,porque a casa onde morávamos era mesmo dentro da própria fábrica. e como era próximo  vinham dar uma olhadinha e até mesmo pessoas que lá trabalhavam ,a Senhora Augusta do Sitio do Tanque muito olhou por nós !!Voltando atrás,antes do nascimento de meu irmão Augusto  o meu Pai quis que sua Família conhece-se a minha mãe,e eu como primeira neta.Viemos a Vila Real de Santo António onde os meus avós viviam com minha tia Felizarda.Aqui deixo a foto que foi tirado no jardim dos meus avós.A minha primeira viagem,com os meus 3 anos e a primeira viagem da minha mãe.A minha Mãe volto mais uma vez cá  mais tarde mas nunca mais foi ao Algarve.Continuando sobre a casa  que nos tinham feito próximo do Barracão um dia  como havia muito trabalho fizeram serão como sempre para aproveitar a época do atum ,e quando era preciso iam buscar combustível e deixaram perto de uma torneira um petromax  e tudo começou  a arder e nós os dois em casa. Minha mãe veio tirou meu irmão do berço ,e eu foi com meu pai,como não deu tempo a tirar roupa ,a minha mãe foi buscar uma bata de trabalho das mulheres da fábrica e encostou  meu irmão contra sim.A vida da minha mãe foi difícil ,mas sempre ela e meu pai se cai-se no outro dia se levantava.
Foi um destes petromax que começou a destruir o pouquinho que os meus Pais começaram a construir para ter a sua vida melhor. Deram um jeito a essa casinha para meus Pais continuar a sua vida de trabalho , pois meu Pai além fazer mais que um trabalho , também cuidava da Fábrica como responsável noturno , por isso morávamos lá. tinha dois cães que o ajudavam a tomar conta e todas as noites meu Pai dava a volta há Fábrica com eles a o seguir e de petromax na mão. depois dava comida aos cães e vinha se deitar. Outras vezes ainda ficava um pouco a fazer de carpintaria pois a cama de casal dos meus Pais e as duas mesas de cabeceira foi feitas por ele.


Os meus País e eu felizarda.no jardim dos meus avós.
Meu Avô August,minha Avó  Albina,uma amiga da minha tia e mais a fundo a minha tia Felizarda.Dai eu ter o mesmo nome.e o meu irmão o nome do meu avó.
O Meu irmão João  Augusto já falecido.




A MINHA PRIMEIRA BONECA.E O MEU COLAR DOCE.

Rebuçados em colares natural da Madeira felizarda.
Os colares de rebuçados que eu  via nos Arraiais em Porto Santo,e nós crianças como eu, era uma alegria ter um colar daqueles.Foi poucas as vezes que os meus Pais me compraram um colar daqueles ,pois o dinheiro era pouco,e já era 4 filhos nessa altura.Tristeza era  ir e vir do Arraial e não  trazer um colar desses .Era como ir a Roma e não ver o Papa .Esses colares eram tradicionais da ,Ilha da Madeira e quando havia Arraial em Porto Santo eles se deslocavam a  todos os arraias que lá havia. Eu já depois de ser uma mulher já  casada e mãe de dois filhos me dei ao luxo de os comprar em todas as cores, para matar a saudade de criança e me senti feliz com esses colares em minhas
mãos.Além desses colares havia uns rebuçados grandes todos eles colocados em papel de várias cores.

A minha primeira boneca  foi comprada num Arraial.Era umas bonecas feitas de massa de pão,de cor amarelo claro ,com um laço na cabeça vermelho .Tinha eu os meus 7 anos de idade,fiz uma choradeira  no Arraial por uma boneca dessas.A minha Mãe me fez a vontade e comprou,mas de tanto andar nas minhas mãos ficou mole do calor e lá se foi a boneca.Quem vendia essas bonecas era uns vendedores da outra ilha próximo da nossa Ilha,pois vinham da Ilha da Madeira,vender essas pequenas coisas que dava uma alegria enorme a nós os mais pequenos.Agora fiquei triste por ficar sem a boneca,e levei com uma varinha de cedro por a minha mãe ficar sem o dinheiro e eu ser teimosa.Se a minha mãe tivesse explicado talvez eu tivesse percebido o motivo de não querer comprar,ou talvez não como criança talvez não aceitava o conselho e só queria a boneca.Mas havia outro género de doce que também se gostava muito nos Arraial era uns bolos chatos num desenho de um ovo,com um sabor do bolo de mel da cor do bolo de mel.Isso a minha mãe comprava um a dada um.Tinha um nome de sessões era saboroso porque levava mel de cana,doce e com sabor a erva doce.Vou colocar aqui a foto de umas broas que encontrei mas era mais chatos e mais escuros.
Estas são broas de passas.