Falar da minha Terra Natal Por favor deixe seus comentários

domingo, 22 de fevereiro de 2015

A tal conversa de dom

Aos fidalgos da «sétima idade»se referiu também Garcia de Resende,em 1545,nesta estância da Miscelânia:
Garcia de Resende.
«Os reis por acrescentar
as pessoas em valia,
por lhes serviços pagar,
vimos a uns o dom dar,
e a outros fidalguia:
já fé os reis não hão mister,
pois toma dom quem o quer
e armas nobres também
toma quem armas não tem,
e ,dá o dom à mulher».
Justifica-se este epigrama pelo abusivo uso de prenome Dom que,por privilégio real,fora criado e só conferido à nobreza de Portugal para pagar ou galardoar serviços grandes à Pátria.Também  o concedera alguns Reis a gerações sem estripe e sem altos serviços,como a indivíduos  de  cotada categoria social,eclesiástica e militar e de cargos de responsabilidade pública  beneficiadores da nação,mas limitados aos homens e sempre negados a mulheres,até mesmo descendentes de sangue real,como se vê no tratamento,denunciado por instrumentos públicos,dado a sua filha por EL-Rei D. Dinis.
D. Dinis
As Ordenações e Leis do Reino de Portugal,datadas de 1603,defendiam que «nenhum homem nem mulher se possa chamar nem chame de Dom,se lhe não pertencer de direito...ou por nossa mercê,ou que nos livros de nossas moradias  com o dito Dom andarem.E as mulheres (só) o poderão tomar de seu pai,mãe ou sogras que o dito Dom  direitamente tiverem».Mas as mulheres do Porto Santo se deixaram contagiar da vaidade deste renome,aliás,«concedido---segundo consta----oficialmente às mulheres dos negociantes da praça de Lisboa» por EL-Rei D. José,e envaidecer-se,por prosápia de fidalgas,presumindo de descendentes dos primeiros povoadores que,na realidade,eram geralmente nobres ou fidalgos,muito embora o privilégio de Dom não fosse de direito natural nem social para toda a Nobreza e Fidalguia.Abriu-se todavia um precedente excepcional na história da Ilha para se chamarem de Dom as mulheres,fora das  Ordenações do Reino.Requereu esse privilégio particular o Donatário Bartolomeu Perestrelo,pedindo-o a EL-Rei D.João III e este concedeu,por Alvará de 6 de Novembro de 1522,que a mulher e noras deste fidalgo de sua casa,se pudessem chamar de Dom,por alegar que do mesmo título já usava toda a sua linhagem,na Lombardia.Devem dizer o porque de escrever isto.Porque ainda hoje no século XX no Porto Santo  muitas senhoras não sei de onde vêm o Dom  lhe chamam Dona,deve de ser Dona do que é seu.

domingo, 15 de fevereiro de 2015

Winston Churchill

Winston Churchil na altura vila de Câmara de Lobos.
Em 1950  no dia 1 de Janeiro --Visita  a Madeira Winston Leonard Spencer Churchill,chefe do Partido Conservador
da Inglaterra,em fériasde repouso que teve de interromper a 12 do mesmo mês, por motivo  de propaganda eleitoral .Foi um acontecimento invulgar a presença de Winston Churchill na Ilha,tornando-se extremamente simpático aos funchalenses pela sua afabilidade  e bonomia atraente .Correspondia a todas as saudações da multidão com o tradicional V simbólico da vitória,feito com os dedos indicador e maior.Ao pedido de algumas  palavras,em seguida ao desembarque,para a Emissora    Nacional
O escritório da Emissora Nacional.
Churchill levantou bem alto o chapéu e respondeu:Happy new year every body»,abrindo um sorriso natural e cheio de íntima alegria à numerosa assistência que se apinhava no cais,
enquanto com o entusiasmo deixava cair a mão o inseparável e característico charuto,companheiro de todos os momentos,que alguém discreta
 e apressadamente recolheu e guardou como relíquia história.
Ao Marchal Óscar Carmona que nessa altura era o Presidente da República telegrafou o Primeiro Ministro Inglês
 a dizer-se «encantado  com o carinho de recepção dispensada» pelo povo madeirense;e numa reunião íntima declarou que,«
se conhecesse a Madeira,já a teria visitado mais vezes»
Enquanto esteve no Funchal, trabalhou este estadista nas suas Memórias e empregou o pincel de exímio artista a reproduzir  trechos panorâmicos  da pitoresca vila de Câmara de Lobos e do assombroso vale da Ribeira da Metade,no Ribeiro Frio.Aqui deixo algumas de suas pinturas de Câmara de Lobos.
Lindo o quadro e o amor como foi pintado.
Na despedida,findos os cumprimentos,saiu da roda das homenagens para procurar o seu motorista no Funchal,de apelido Abreu,a quem apertou a mão deixando-o visivelmente comovido  com este expressivo gesto.Apercebeu-se o «Leão da Vitória»do embaraço do Abreu,pelo que lhe bateu carinhosamente nas costas a sorrir para o tirar de tamanho embaraço.Sublinhou esta fidalguia e generosa atenção,com uma quente e prolongada salva de palmas,a numerosa assistência do cais da navegação aérea,naquela histórica e jamais esquecida manhã.



carnaval

Malassadas.
I
Agora no carnaval!
todos tem que comer,
eu comi umas malassadas.
Que nunca  hei,esquecer.
II
Que nunca hei esquecer,
e ainda sinto o sabor 
dessas boas malassadas.
Feitas com muito amor.
III
Feitas com muito amor
feitas pela minha mãe
onde talvez neste mundo.
Pouca criança têm.
IV
Pouca criança têm,
pois muitos não têm mãe,
e estou eu a recordar.
As malassadas da mãe.
V
As malassadas,da mãe
recordando a minha mãe
pois hoje já não a tenho.
E sei o valor de mãe.
os meus Pais e eu.

segunda-feira, 9 de fevereiro de 2015

bolo de mel

Por ser um bolo característico de confecção tradicional,inventado na Madeira com a introdução da cana sacarina,damos uma das receitas mais conhecidas:
quantidades.
farinha de trigo,4 quilos;
mel de cana ,2 litros 1/2;
manteiga de vaca,1 quilo;
banha de porco,1 quilo 1/2;
açúcar,2 quilos;
canela da Índia, 60 gramas;
cravo de acha,10 gramas;
soda,50 gramas;
cravo da Índia,15,gramas;
erva doce,em pó,5 gramas;
nozes esmagados,1 quilo e 1/2;
gengibre,15 gramas;
cidra curtida,1/2 de quilo;
amêndoas esmagadas ,1/2 de quilo;
noz moscada,10 gramas;
fermento,750 gramas.


Antiga igreja dos Jesuítas no Funchal

Desde 1915 até 1957,estabeleceram-se na Madeira novas Congregações de Frades e de Freiras a que já aludimos  na resenha do Bispo D.António M. P.Ribeiro,sendo de destacar,pela sua ação religiosa e social,os Frades do Coração de Jesus,italianos,que abriram um Colégio Missionário no Funchal a 17 de Outubro de 1947,destinado à formação de missionários para as colonias portuguesas de África e de que foi fundador e primeiro reitor o P.e Ângelo Colombo; os Padres Salesianos,também de origem italiana da Ordem de D.Bosco,que tomaram a direção da Escola de Artes e Ofícios fundada pelo P.e Laurindo Leal Pestana,pároco de Santa Maria Maior(Socorro),sendo primeiro diretor,a partir de 25 de Outubro de 1950,o P.e Dr. José Maria Alves; e os Irmãos de S.João de Deus a cuja assistência estão confiados os alienados do sexo masculino e feminino do arquipélago.
Hoje se encontra de pé bela e restaurada.

Fortificação

Pico do Castelo foi a fortificação do Porto Santo impôs-se durante muitos anos não só para obstar ao desembarque de piratas como também por dar segurança ao presídio ali estabelecido pelo Marquês de Pombal,
E onde cumpriram penas de deportação,militares e políticos dos governos de D.Pedro e D. Miguel,
alguns deles no reduto do Pico do Castelo.Como é possível o Porto Santo ter sua História e dizerem que esta Ilha têm uma história bem guardada,só pode ser por nem saberem a sua História.
Pois apenas se encontra nesse Pico uma simples casa que nada se sabe sobre ela,pena pois podia ser restaurada e ter uma linda história para contar a quem lá fosse visitar.Mas nunca nenhum Presidente lhe fez essa honra onde este Pico é digno de tal honra.

quarta-feira, 4 de fevereiro de 2015

oportunidade


O Porto Santo é oportunidade de subir,e descer um Pico,Admirar um precioso,
testemunho da arte da natureza.Mergulhar por entre o arco-íris da fauna e da
flor submarina.