Falar da minha Terra Natal Por favor deixe seus comentários

GASTRONOMIA Da Ilha E Não Só

BOLO DE MEL
Muitos detentores  do receituário  destes e doutros doces conventuais se guardava com avareza por ser um tesouro  e não transmitendo fielmente a ninguém o saboroso bolo -de -mel - . O  mais vulgarizado era o bolo- de- mel-indispensável em todas as casas na época  do Natal ,e a cujo uso nos referimos no capítulo  Praxes e Usanças . Por ser um bolo característico de confeção tradicional ,inventado na Madeira com a introdução da cana sacarina  e aqui deixo uma das receitas mais conhecidas ,porque na Madeira à quem tenha suas receitas deste bolo .Por dizerem que nem todas são iguais.
Ingredientes
farinha - de trigo  , 4  quilos ---mel de cana ,2  1/2 litros  ;Manteiga de vaca , 1 quilo  ; Banha de porco  , 1 -1/2 quilo  litros ; açúcar  2 quilos ; canela da Índia  , em pau  , 60 gramas ;  cravo em pau , 10 gramas ;  soda  , um pacote de 50 gramas ; cravo da India moído  15 gramas ; cidra curtida  , 1/2  quilo ; amêndoas esmagadas  , 1/ 2 quilo ;  noz moscada , 10 gramas ;  fermento de padeiro  que se refere ao fermento do pão 750 gramas .Depois  de descoberta a Terra das Especiarias ... o bolo impou  , condimentando  com os mais  estranhos acepipes, tenro e quebradiço ,aromatizado  de essências orientais  , ornamentando de arabescos  de  massa  figurada de cidra  , e miolo de nozes , amêndoa e passas , num mosaico  de diversas cores , em relevo  de corações ,datas  e pombinhos inocentes , debicando afetos . Hoje só se vê o relevo .A oferenda -do-bolo -mel pelo Natal era uma ostentação fidalguia  um mimo requintado  de cortesia  que se estendeu  e generalizou  .Bolo rico  , só para fidalgos e clerezia pois os Senhores Padres sempre pertenceram aos fidalgos . Hoje este bolo entrou no Comércio da região da ilha da Madeira e de Porto Santo , mas ainda à quem tenha suas receitas um pouquinho diferentes e com segredo. É  um bolo que enriquece  as ilhas ,e quem lá vai se não provar o bolo de mel não viu algo de valioso das ilhas.
O Famoso bolo
O Bolo do caco, é um bolo de origem Árabe trazido para Porto Santo pelo antigos colonos. Eu me recordo em miúda ver esse bolo ser feito num gênero de chapa de ferro própria ,colocada em cima de uma trempe de 3 pés. Essa chapa antes de colocar a massa era muito bem aquecida ,e passavam um pano com um pouco de azeite para limpar e ver se tinha a boa temperatura para colocar a massa. Depois de o bolo cozido na chapa era colocado ao lado da trempe para acabar de cozer. .Afastando algumas brasas para não queimar de roda do bolo,esse bolo era o pão de cada dia dos Habitantes de Porto Santo, Além do pão das Padarias . Pois nem todos os Habitantes de Porto Santo iam comprar o pão e assim faziam em casa o bolo do caco,este  pão.Com o evoluir dos tempos  se tornou famoso pois ele com manteiga e quente é muito saboroso. Me lembro da minha tia Jesuína amassar essa massa que só levava,farinha onde abria com a mão um pouquinho e colocava dentro o sal,o fermento de padeiro e deitava água quente e ia misturando bem transformando em massa.Depois de bem amassado ficava essa massa abafada de um dia para outro. .Este bolo como o se chama na ilha Porto Santo é só  com fermento , farinha sal, e muito bem amassado e muito bem cozido porque como leva o fermento de Padeiro faz muito mal ao estômago ! e dois dias depois fica cheio de bolor
Quantidade
1 quilo de farinha de trigo
25 gramas de fermento de padeiro,
Sal a gosto 
e água.
Eu já fiz este bolo,e acrescentei um pouco de vaqueiro,ou manteiga e fica uma delícia  
O Bonito ou o gaiado com muitos lhes chamam,na ilha de Porto Santo.Era antigamente o ouro para as nossas refeições,ao estar presente na mesa quando se comia a papa de milho pois nem todos nós o tinha na mesa,ele era assado na brasa, ou cozido fresco com orégão  e regado com azeite e vinagre,ou seco cozido depois todo feito em lascas,e com molho frio por cima ,cebola ,salsa,alho,azeite,e vinagre e de um dia para outro ainda fica mais saboroso se lhe colocarmos um pouco de pimenta ,ou piripiri ainda melhor,Podemos fazer filetes temperados de um dia para outro.acompanhar com batata cozida,ou arroz branco,é um prato delicioso,E para restaurantes  é muito bom em petisco,Pode ser acompanhado com hortaliça cozida ,para este peixe saboroso se pode fazer um prato a gosto.Sandes ,e muito mais.
Gaiado com molho frio 
A Papa de milho,esta está com couve mas a verdadeira da ilha de Porto Santo,não leva couve.
Da etnografia local não se pode abstrair a alimentação .É uma tradição concreta ,profundamente enraizada na população madeirense  e portosantense ,que lhe dá caráter e serve de fonte á história da sua vida.Menosprezar este pormenor histórico seria esquecer as qualidades prestimosa da nossa mulher que,em tempos ,foi o que escreveu dela,há quase quatrocentos anos ou muito mais.De Gaspar Frutuoso a propósito das festas e bodas de D. Isabel  de Abreu e de António Gonçalves da Câmara ,em que se gastaram ricos e esquisitos manjares de toda a sorte ,que....são extremadas na perfeição deles,e em todas as invenções de ricas coisas...também em açúcar com delicadas frutas.
COMO SE PREPARA ESTA PAPA DE MILHO.
A papa de farinha de milho ,mais conhecida pela denominação genérica de milho ,era o prato de resistência ,quase diária ,da população de Porto Santo hoje em dia se encontra nos restaurantes e é um prato típico .Como preparar aquecer cinco litros por exemplo de água para um quilo de farinha de milho moído ,depois de temperada com sal a gosto e derretida uma colher de banha ,adicionar  o milho ,com a panela  fora do lume  com a água já morna e depois voltar a colocar ao lume para não encaroçar  ,cozinhar ,mexendo constantemente esta mistura com uma colher de pau,durante meia hora,até ferver e engrossar. Juntam-lhe depois a restante farinha que coze durante outra meia hora,mexida de vez em quando para a papa não encaroçar.Este alimento é servido quente ou frio já endurecido ,é condutado  com peixe ,leite que era o que eu mais gostava,manteiga,ou com açúcar por cima.Na Madeira as pessoas mais pobres faziam o condutado com cebola,onde vi muitas vezes mas nunca comi.ou com vinagre,e servido em pratos e no outro dia podemos cortar em cubos e fritar é uma delícia .Mas havia quem a  no Porto Santo para a papa endurecer e poder ser passada á frigideira ,era preciso cozinha-la em três partes ,era o que eu via a minha tia fazer a minha mãe já fazia como está escrito.
Milho frito.
Bifes de Atum
Temperos
Sal a gosto,vinagre ,pimenta,alho,e salsa picada.deixa-se marinar um pouco e depois são fritos  em azeite e vai acompanhar com milho frito,ou cebolas miúdas de escabeche em vinagre ,pimenta e sal ,e golpeadas em cruz.Nesta mistura se curte igualmente :o perrixil.Em Porto Santo nesta ilha usava-se outrora perrixil cozido para acompanhamento de peixe,único alimento de que se servia o povo em Quinta-Feira de Endoenças e na Sexta-Feira de Paixão,fazendo jejum nesses dias em memória de Cristo.Por penitência ou não,se colhia ainda todos os anos ali,na Semana Santa,perrixil para uso doméstico,fresco ou escabeche,hoje pouco se usa.Outro  molho---Depois dos bifes fritos com azeite se tempera,com molho de manteiga vinagre,pimenta da Índia ,moída e alho .O atum de escabeche é muito vulgar ,curtido num molho de vinagre ,pimenta,alho e folhas de loureiro.
O Pão - de Ló 
O Pão de ló sem rival da ilha de Porto Santo,se fabricava desta maneira: Para um bolo de meia libra ,--12 ovos,1/4 de quilo de açúcar ,1/2 cálice de aguardente ,1/4 de quilo de farinha ,raspa de vidrado de limão ,nenhuma água nem fermento.É batido tudo dentro de uma panela com um batedor em cruz numa das extremidades ,sem tocar no fundo ,enquanto o açúcar não derreter.Depois roda dentro da massa  mexido sempre na mesma direção para o pão-de-ló não abater .Por fim o batedor volta a tocar no fundo da panela,enquanto  se mistura a farinha que continua a ser por ele mexida Esta massa vai ao forno dentro de um tabuleiro ou forma forrada de papel,oque afeta a figura de um losango ou dum coração.E aqui está o segredo nunca parar,ter outra pessoa ao pé para continuar a bater,o bolo.Este bolo era oferta para quem vinha ao Porto Santo.Como a entrada de um Padre novo,ou outra individualidade.

Sem comentários:

Enviar um comentário