Falar da minha Terra Natal Por favor deixe seus comentários

sábado, 16 de abril de 2016

RECORDAR A FÁBRICA,ONDE NASCI,E DEPOIS TRABALHEI.

Recordando  essa  fábrica hoje demolida onde outrora foi sustento de muitas famílias.Essa fábrica era de uma companhia Algarvia de Vila Real de Santo António onde um dos donos era o senhor Raimundo,dai o meu  Pai como já trabalhava numa das Fábricas em Vila Real foi transferido para Porto Santo ele e outros para desenvolver a fábrica dai meu Pai ir residir para Porto Santo como  chefe de secção de cheio dessa fábrica ,casou mais tarde  com a minha Mãe Carolina  da Silva Drumond e por lá ficou.Junto com o meu Pai foi outro senhor que foi trabalhar para a fábrica de conservas da Madeira dai depois foi o senhor Vital onde era  chefe  geral ,com sua mulher D.Elvira que era chefe das mulheres que lá trabalhavam.Esta era a fábrica que durante os 3 Meses de Verão dava trabalho a muitas Mulheres e homens, que além de fazer as suas 8 horas de trabalho ainda ,faziam trabalho noturno até ás  23 horas  para poder ganhar mais algum pois era mais trabalho do que dinheiro!.Mais tarde voltarei a recordar  algo mais sobre esta fábrica pois foi nela  o meu nascimento.Nasci  na Fábrica de conservas ,antes nasceram dois irmãos gémeos,a seguir a mim nasceu meu irmão Augusto hoje já falecido.Residi nesta fábrica até os meus 4 anos.Como era  muito reguila pois quase toda a gente que lá trabalhava tinham que estar sempre de olho em mim,me recordo um dia ir a correr e havia poço rente ao chão  que colocavam o peixe em salmoura  lá felizarda  caiu dentro de um onde quem me tirou de lá foi  o senhor  José  Gomes do campo que chamavam o fogueiro pois trabalhava com as caldeiras. Esse senhor tinha por hábito ter uma garrafinha  com vinho do Porto Santo doce eu via ele beber e um dia lá foi ao sitio da garrafa tomei e foi um susto para muita gente me verem andar e a cair sem saber o que era ,pois era a minha primeira bebedeira kkkkkkkkkkk .Só quem descobriu  foi  o Senhor Gomes que ia beber a sua pinguinha e não tinha lá nenhum,!!dai a descoberta.E desde já um concelho manter bebidas fora do alcance das crianças.A vida foi correndo nasceu o meu irmão João Augusto  !! E Como a nossa casa era num sótão por cima do refeitório onde os empregados da Fábrica almoçavam ,e como a minha mãe estava grávida do meu irmão o Senhor Carlos que era gerente da Fábrica  tentou nos arranjar uma pequena casa  próximo do barracão do combustível onde era o melhor sitio e com espaço.E ai nasceu meu irmão Augusto , e os meus Pais  continuaram a trabalhar,e o meu irmão mais pequeno ficava em casa dentro do berço,que fazia de parque,e eu levava concelho da minha mãe .Toma conta do do teu irmão,se acontecer algo chama,mas eles vinham sempre ver como estávamos.,porque a casa onde morávamos era mesmo dentro da própria fábrica. e como era próximo  vinham dar uma olhadinha e até mesmo pessoas que lá trabalhavam ,a Senhora Augusta do Sitio do Tanque muito olhou por nós !!Voltando atrás,antes do nascimento de meu irmão Augusto  o meu Pai quis que sua Família conhece-se a minha mãe,e eu como primeira neta.Viemos a Vila Real de Santo António onde os meus avós viviam com minha tia Felizarda.Aqui deixo a foto que foi tirado no jardim dos meus avós.A minha primeira viagem,com os meus 3 anos e a primeira viagem da minha mãe.A minha Mãe volto mais uma vez cá  mais tarde mas nunca mais foi ao Algarve.Continuando sobre a casa  que nos tinham feito próximo do Barracão um dia  como havia muito trabalho fizeram serão como sempre para aproveitar a época do atum ,e quando era preciso iam buscar combustível e deixaram perto de uma torneira um petromax  e tudo começou  a arder e nós os dois em casa. Minha mãe veio tirou meu irmão do berço ,e eu foi com meu pai,como não deu tempo a tirar roupa ,a minha mãe foi buscar uma bata de trabalho das mulheres da fábrica e encostou  meu irmão contra sim.A vida da minha mãe foi difícil ,mas sempre ela e meu pai se cai-se no outro dia se levantava.
Foi um destes petromax que começou a destruir o pouquinho que os meus Pais começaram a construir para ter a sua vida melhor. Deram um jeito a essa casinha para meus Pais continuar a sua vida de trabalho , pois meu Pai além fazer mais que um trabalho , também cuidava da Fábrica como responsável noturno , por isso morávamos lá. tinha dois cães que o ajudavam a tomar conta e todas as noites meu Pai dava a volta há Fábrica com eles a o seguir e de petromax na mão. depois dava comida aos cães e vinha se deitar. Outras vezes ainda ficava um pouco a fazer de carpintaria pois a cama de casal dos meus Pais e as duas mesas de cabeceira foi feitas por ele.


Os meus País e eu felizarda.no jardim dos meus avós.
Meu Avô August,minha Avó  Albina,uma amiga da minha tia e mais a fundo a minha tia Felizarda.Dai eu ter o mesmo nome.e o meu irmão o nome do meu avó.
O Meu irmão João  Augusto já falecido.




Sem comentários:

Enviar um comentário